FABULOSO DIREITO: METÁFORAS DO PODER EM “O CONTO DOS CONTOS”