“Alguma força com aparência de razão”: direito, juristas e poder constituinte em "Decameron"